Calvície feminina - como identificar e tratar o problema
Queda de cabelo

Calvície feminina: como identificar e tratar o problema?

A calvície (alopécia androgênica) é uma doença crônica e evolutiva que afeta principalmente os homens. No entanto, as mulheres não estão livres dessa manifestação fisiológica. Segundo a Sociedade Brasileira de Dermatologia, 50% das mulheres já apontaram a queda de cabelo como um problema e, em alguns casos, pode ser classificada como calvície feminina.

Queda de cabelo comum é identificada pela perda de 120 fios por dia. Você pode perguntar: “terei de contar a quantidade de cabelo que perco diariamente?”. Não, não. Basta que repare nos fios que ficam no travesseiro ao acordar, ou se caem com frequência no chão e roupas, por exemplo.

A queda de cabelo (também chamada de eflúvio telógeno) tem várias causas, sendo as principais o pós-parto, cirurgias, perda de peso importante (por exemplo, no pós-operatório da cirurgia de redução do estômago), anemia ou hipotireoidismo. Já a calvície (alopécia androgenética) é progressiva e de causa genética, tendo seu início por volta dos 20 anos ou após, no começo da fase adulta. Diferente da queda comum, a alopécia manifesta-se nos homens pelas famosas “entradas” e nas mulheres pelo afinamento progressivo dos fios, principalmente na região da frente. Em casos mais avançados, é possível até ver o couro cabeludo, dada a diminuição e afinamento dos fios.

A perda total ou parcial de cabelo causa impacto na aparência e afeta a autoestima de homens e mulheres, podendo causar distúrbios emocionais e psicológicos, como ansiedade, depressão e fobia social.

Antes de fazer mil suposições, a recomendação é ir ao dermatologista para que os fios sejam examinados e, assim, descobrir a verdadeira causa da queda de cabelo. Para obter o diagnóstico correto, às vezes é preciso se submeter a exames de sangue e, em casos específicos, a biópsia do couro cabeludo também é necessária.

Tratamentos mais eficazes para a calvície feminina

Após a constatação do problema, o dermatologista pode indicar medicações tópicas como o minoxidil (medicação sob a forma de loção capilar, aplicada duas vezes ao dia no couro cabeludo seco, que estimula o crescimento de fios novos), finasterida (medicação oral mais indicada pra homens). É preciso ficar atento aos efeitos colaterais dos medicamentos, principalmente da finasterida. Esse tratamento pode causar perda da libido, aumento das mamas e depressão em um pequeno número de indivíduos. Também não é indicado para mulheres em idade fértil e só deve ser usado com indicação e acompanhamento médico.

As novas tecnologias propiciaram o surgimento de tratamentos eletrônicos, por meio de laser (estimula o crescimento dos fios), e micropigmentação capilar (camufla as áreas afetadas pela queda, escurecendo o couro cabeludo – também pode ser aplicado nas sobrancelhas). Além dessas opções, os suplementos nutricionais especiais para o cabelo podem ajudar a frear a queda dos fios.

A última opção é o transplante capilar ou implante de cabelo. Transplanta-se as raízes dos fios acima da nuca, com qualidade genética melhor, para as áreas afetadas pela calvície feminina. A técnica é minimamente invasiva e requer anestesia local, com duração entre cinco e seis horas. Esse tratamento só é indicado após as tentativas, sem sucesso, de outros medicamentos e procedimentos. Em casos de testa avantajada, entradas profundas e fios ralos, o transplante também é uma opção.

Para todos os tratamentos (exceto a cirurgia), os resultados só começam a surgir depois de três meses após o início do procedimento ou medicação.

Dicas para prevenir a queda de cabelo:

  • Não perca tempo. O controle é possível, mas é necessário iniciar o tratamento o quanto antes, assim evita-se a progressão da doença.
  • Diminua o estresse, mesmo que seja difícil em algumas situações. O excesso de estresse pode provocar a queda de cabelo.
  • Controle a caspa (dermatite seborreica) de seu cabelo. O excesso de oleosidade, que leva ao surgimento da caspa, pode intensificar a perda dos fios.
  • Se você estiver tomando finasterida e resolver suspender a medicação por conta própria, saiba que com o tempo a calvície feminina voltará. Então siga à risca as orientações de seu dermatologista!

Quanto antes você começar a tratar, mais chances terá de obter sucesso no tratamento. Toda mulher merece ter um cabelo volumoso e cheio de vida. Cuide bem do seu!

COMENTÁRIOS


Lembre-se: este site não realiza consultas online nem receita medicamentos ou cosméticos. Reservamos o direito de escolher quais perguntas responder e apenas tiramos dúvidas específicas sobre problemas de pele.



COMENTÁRIOS




Escreva sua mensagem (Máx. 250 caracteres)