Perguntas e respostas

Você já sofreu com alguma espinha interna? Saiba quais são as causas e como amenizá-las!

2351427-inline

Todos nós, em algum momento da vida, sofremos com as espinhas. Uma espinha comum, que erupciona na pele, já é um incômodo gigante, mas e quando o incômodo é gerado por uma espinha interna?

As espinhas internas são aqueles processos inflamatórios que não rompem a barreira da pele. Como não há uma forma de eliminar o pus presente na espinha, são consideradas ainda piores. Elas são palpáveis e doloridas, mas são consideradas internas por não terem abertura e pus visível. Na dermatologia, esse termo não existe: elas são chamadas de lesões inflamatórias de grau leve ou avançado. O primeiro, para casos onde a espinha interna se caracteriza por uma bolinha vermelha e, o segundo, quando forma um cisto doloroso.

Mas, como acontecem as espinhas internas?

Qualquer espinha é causada por um problema: a obstrução dos poros por onde saem o pêlo e o sebo do corpo. Todos os nossos pêlos possuem uma glândulas sebácea e o sebo vai se acumulando por ali, porém, quando ocorre a obstrução dessa saída, o sebo se acumula na região, criando “cravos”, que originam as espinhas. O que difere uma espinha comum da espinha interna é exatamente o fato da interna não ter uma saída.

Quando essa espinha é inflamada, aconteceu outra coisa: o cravo que se formou na retenção do sebo daquela região foi tomado por uma bactéria, que é responsável pela inflamação. É essa bactéria que desencadeia o pus, a dor e o inchaço da espinha interna.

Como tratar esse processo inflamatório?

Ao contrário do que muita gente pensa e pratica, nunca se deve espremer uma espinha, nem apertar, furar, ou qualquer coisa do tipo, afinal, isso pode piorar a inflamação, o inchaço e até mesmo a sua aparência.

A ideia é que a espinha interna seque. Para isso, em muitos dos casos são receitados antibióticos, ácidos e, antes de qualquer coisa o uso de sabonetes para pele oleosa ou qualquer um com propriedades secativas.

– Use esfoliantes: eles são fundamentais para se livrar das células mortas que sobram do processo de regeneração da pele.

– Lave as áreas onde estão a/as espinhas internas com sabonete neutro duas vezes ao dia.

– Fuja de tratamentos caseiros como vinagre, pó de café, argila, Minâncora, creme dental, entre outros. Tudo isso vai piorar a inflamação e aumentar as chances de cicatrizes e manchas.

– Evite se automedicar e procure seu dermatologista, que após avaliá-lo, prescreverá um tratamento somente local ou acrescentará antibióticos também, de acordo com a necessidade.

Você também pode cuidar para que novas espinhas não voltem a te incomodar:

O ideal é manter uma boa higiene. A maioria das espinhas surge de nada mais que a obstrução por sujeiras, bactérias e oleosidade, como dissemos anteriormente.

Lave o rosto com sabonete delicado, sem álcool e não abrasivo.

Não esfregue o rosto enquanto lava para não irritá-lo, nem machuca-lo. O mesmo serve ao secá-lo com a toalha, sempre dando batidinhas, evitando o atrito.

Quando tiver espinhas, evite usar maquiagem, pois ela pode obstruir ainda mais o folículo. Sempre que usar, retire-a totalmente com a ajuda do demaquilante.

 

E você, costuma ter bastante espinha interna? Ainda tem alguma dúvida que não ficou esclarecida? Então, pergunte ao dermatologista!

COMENTÁRIOS


Lembre-se: este site não realiza consultas online nem receita medicamentos ou cosméticos. Reservamos o direito de escolher quais perguntas responder e apenas tiramos dúvidas específicas sobre problemas de pele.



COMENTÁRIOS




Escreva sua mensagem (Máx. 250 caracteres)

  • Responder G 28 de janeiro de 2017 at 14:42

    Tenho espinhas internas a vários anos elas não somem . Algumas vezes não ficam muito inflamadas mas ainda continuam lá, seria o caso de usar roacutan ?

    • Responder Pergunte Ao Dermatologista 28 de janeiro de 2017 at 23:00

      Oi Gislene! o Roacutan (Isotretinoína) está indicado pra acnes mais graves e inflamadas, ou em situações onde já foram tentados vários tratamentos (inclusive com antibióticos) que não deram certo.