Harenwassen
Perguntas e respostas

Esfoliação capilar: já experimentou essa simples técnica?

Já falamos bastante por aqui e vocês já sabem o quão importante pode ser a esfoliação da pele do rosto e do corpo. Pararam pra pensar que uma esfoliação capilar pode ser incrível também? Será que tem alguns benefícios?

Para isso, é importante lembrar que o couro cabeludo também é pele, assim como as demais regiões do corpo. Portanto a esfoliação capilar pode ser uma ótima ajuda. Confira abaixo!

O que exatamente é a esfoliação capilar?

Da mesma forma que a esfoliação da pele busca remover aquelas camadas de impurezas e pele morta, assim também funciona na esfoliação do couro cabeludo. Ela ajuda a eliminar, além das impurezas, a oleosidade e resíduos que ficam depositadas na cabeça.

É muito recomendado, especialmente, para quem apresenta queda de cabelo, ou que tenha fios grossos e cacheados. Também recomenda-se para quem possui o couro cabeludo com oleosidade e todas as suas consequências, como a seborreia e até as caspas.

Se você costuma utilizar muitos produtos sem enxague no cabelo, essa também pode ser uma boa. Esses produtos, como todos bem sabem, acabam se acumulando nos fios com o uso frequente.

Como funciona?

Geralmente, eles são vendidos como um “pré-shampoo”, ou seja, para serem utilizados antes da lavagem normal dos cabelos. Eles não substituem o shampoo comum e também não são exatamente iguais aos shampoos anti-resíduos.

Enquanto o shampoo esfoliante limpa exatamente o couro cabeludo, o segundo remove impurezas e produtos dos fios. Portanto, um não substitui o outro.

No esfoliante, há micro esponjas que ajudam na limpeza, esfoliação e retém a oleosidade, sem ressecar os fios.

Mas quais são os benefícios reais dessa limpeza?

Esfoliar o couro cabeludo para se livrar das impurezas e amenizar situações como a oleosidade excessiva, pode trazer muitos benefícios. Um deles está relacionado à força do cabelo. Desobstruindo os poros da região, seus cabelos podem crescer mais fortes e saudáveis.

Outra questão é que, removendo impurezas, você pode ter fios mais bem preparados para receber qualquer outro tratamento. Por isso, essa limpeza pode acentuar os resultados e qualquer tratamento que fizer posteriormente. Inclusive, esses melhores resultados também se aplicam aos shampoos. Já teve aquela sensação de que um shampoo já não faz mais o mesmo efeito de antes? Pode ser o acumulo de produtos no couro cabeludo.

Além de tudo isso, o aspecto oleoso da raiz dos cabelos pode diminuir bastante ou até desaparecer.

Recomendações

A principal recomendação é que você consulte um dermatologista antes de utilizar, especialmente se você já tiver algum problema capilar ou se já faz algum tratamento ou usa medicação. Ele é quem poderá indicar o melhor produto para o seu caso.

Depois, no momento de utilizar, nunca substitua pelo shampoo. Utilize-o antes do shampoo, fazendo movimentos circulares e com muito cuidado para que o produto não escorra tanto para os fios.

Depois, lave os cabelos com shampoo normalmente.
Ficou com alguma dúvida sobre? Pode enviar para a nossa dermatologista!

img_d7cff8236f003c298643133703f3d6ed_2_1400x1100
Perguntas e respostas

Dermatologista Responde: esfoliação da pele com açúcar faz mal?

Esfoliar a pele é uma etapa quase indispensável dos cuidados. Além disso, é muito simples e rápido, principalmente porque você não precisa, e nem deve, fazê-la todos os dias. Aqui nessa matéria, contamos todos os detalhes sobre a esfoliação e demos muitas dicas para você fazer em casa.

É muito importante que a pele passe por essa tapa, tanto no rosto, quanto nas demais áreas do corpo, para ajudar na renovação celular, eliminar as células mortas e melhorar a aparência da pele.

Mas, como em todos os procedimentos, tudo inspira muito cuidado. Há várias receitas, tipos de pele e frequência de esfoliação, que precisamos ter muita atenção.

Recebemos algumas perguntas sobre e nossa dermatologista respondeu aqui. Se você também tiver alguma dúvida sobre esfoliação, faça sua pergunta para a nossa dermatologista!

Gostaria de saber quais são os benefícios da esfoliação para a pele do corpo inteiro.

Dermatologista: A esfoliação remove as células mortas e impurezas da pele, deixando-a com um aspecto mais brilhante e toque macio. Pode ser feita 1 vez por semana.

Esfoliação com borra de café realmente traz benefícios para a pele?

Dermatologista: Não traz nenhum benefício e ainda pode causar irritações

Os pelos de cima da minha coxa, em baixo e ao lado das nadegas, são muito finos, alguns são enrolados para dentro da pele e às vezes criam uma bola dura ou inflamam e deixam marcas. Esfoliar 2 vezes por semana ajuda a resolver?

Dermatologista: A esfoliação ajuda sim, e se você tiver o hábito de usar roupas muito justas isso também pode estar causando essas inflamações.

Fazer esfoliação com mel e açúcar trás os mesmos resultados que uma esfoliação com um cosmético?

Dermatologista: Se a intenção for só esfoliar a pele mesmo, os resultados são ótimos. Você pode também usar óleo de amêndoas no lugar do mel.

Peguei sol e minha pele ficou bronzeada tipo aquela com “duas cores”, uma parte do meu corpo está com a cor natural e a outra bronzeada. Como remover essa marca? Tem como a pele voltar à cor natural? A esfoliação resolve?

Dermatologista: Volta ao normal sim, só que é preciso ter paciência, conforme a pele for se renovando naturalmente, vai se igualando. Esse processo pode levar até 6 meses.

Gostaria de saber: fazer a esfoliação da pele com açúcar faz mal?

Dermatologista: Não, porém como o grão do açúcar é grosso, a esfoliação que ele causa é intensa. Sendo assim, você deve fazer esse procedimento no máximo 2x/semana.

Esfoliar o rosto duas vezes por semana pode desencadear dermatite perioral? Minha pele é muito oleosa e já tive dermatite perioral.

Dermatologista: Pode, se o esfoliante for muito abrasivo, ou seja, se possuir os grãos grossos. Tente esfoliar 1 vez por semana evitando os cantos da boca, e se não melhorar consulte um dermatologista.

Faz uma semana que estou usando sabonete asepxia esfoliante, e o resultado é que minha acne parece que piorou e minhas espinhas estão bem avermelhadas. Queria saber se isso é normal ou apenas temporário. Devo parar com o seu uso?

Dermatologista: Os esfoliantes causam irritação na pele se usados diariamente. Então use no máximo 1 vez por semana, e se não melhorar procure um dermatologista.

 

 

 

bb-cream-ou-cc-crem-pele
Perguntas e respostas

BB Cream e CC Cream: quais os benefícios reais para a pele?

Quando falamos da pele do rosto, há uma série de cuidados na mira da rotina diária, como a hidratação, a tonificação, a maquiagem e o filtro solar, os cuidados anti-idade. Tudo isso é muito comum no dia a dia da maioria das pessoas e requer dedicação e tempo.

Entre esses cuidados, temos os produtos BB Cream e CC Cream, que prometem diversos benefícios em 1 produto só. Mas, será que eles funcionam? Qual a diferença entre eles?  Seu uso deve ser combinado com outros produtos, ou podem substituir?  

Quais são as opções e suas diferenças?

BB Cream, CC Cream e até DD Cream, todos eles são muito parecidos em um ponto: benefícios e finalidades variadas em um produto só. Mas, o que os diferencia e como saber qual é o mais indicado para a minha pele?

O BB Cream é a abreviação para o termo Blemish Balm, e é muito utilizado como substituto da base, pois possui cor (hoje em dia é possível encontrar nas cores clara, média e escura em algumas marcas) e também funciona como primer, preparando a pele para maquiagem.  Além disso, ele protege levemente a pele – pois possui FPS – e hidrata também. Então, pode ser considerada uma forma pouco agressiva e mais benéfica para o dia a dia.

Já o CC Cream, abreviação para Color Correction Cream, acumula todas essas características e é até mais potente, porque também possui alguns antioxidantes, além de agentes anti-idade e clareadores da pele.

Por fim, o DD Cream é uma opção mais nova e significa Daily Defense Cream, um creme de defesa diária, que também acumula as outras funções dos demais, mas possui uma especificação um pouco diferente, que é a de prevenir. Ele possui um efeito autobronzeador e alguns agentes que protegem e hidratam, de forma mais potente, ajudando na prevenção. Como a fórmula é um pouco mais pesada, é muito indicado para o corpo, apesar de não ser tão facilmente encontrado ainda como os demais.

Como escolher cada um e para quais situações são mais recomendados?

Sendo algumas características comuns aos três tipos, qual você deve escolher? Já sabe? Trouxemos algumas dicas.

BB Cream

Para usar no dia a dia, sem exposição exagerada à luz do sol. Inclusive pode ser um substituo para a base em dias comuns, como para o trabalho, por exemplo. Para quem tem a pele mais oleosa, também é legal para fechar os poros e preparar a pele para a maquiagem. Outro benefício é que, como ele tem vários cuidados em 1, também pode reduzir o tempo dedicado aos cuidados diários.

CC Cream

Além das ocasiões apresentadas acima, também é bem indicado para quem tem manchas na pele ou tendência a isso, corrigindo esses problemas de tonalidade.

DD Cream

Todos os benefícios e indicações acima, mas um pouco mais recomendado para as peles ainda mais maduras.

Dúvidas mais frequentes sobre o uso dos 3 produtos

– Em alguns casos, você pode substituir o hidratante por eles, como no caso das peles normais e oleosas. Porém, eles não são hidratantes o suficiente para as peles mais secas. Portanto, não suspendem o uso dessa etapa – que deve ser passado normalmente, antes do produto.

– Ele substitui o filtro solar em pouquíssimos casos. Se você aplicar um deles pelo menos 2 vezes ao dia, e não se expor à luz do sol além do recomendado, ele pode  substituir. Caso contrário, é necessário utilizar o filtro também.

– Como o DD Cream tem uma formula mais pesada e a função de autobronzear,  não é muito indicado para a pele do rosto.

– Se você vai continuar utilizando outros produtos junto ao BB Cream ou CC Cream, prefira em outros horários. Utilize o BB Cream e CC Cream pela amanhã e os demais no momento de reaplicar. Assim, os ativos presentes em casa produto não anularão uns aos outros.

– Para substituir a maquiagem, eles são recomendados em momentos mais comuns e durante o dia. Em casos especiais, como festas e durante a noite, o BB Cream ou CC Cream podem não ter o mesmo efeito que a base.

– Quando for aplicado um desses produtos, é recomendável dispensar os demais cosméticos, pois um ativo pode inativar os outros. A recomendação é passar o BB ou CC Cream em apenas um momento do dia, já que eles têm filtro solar, e, em outro período, passar outros produtos que tenham benefícios exclusivos. Assim, um não interfere no outro.

– Não misture BB Cream com CC Cream, pois não haverá nenhum efeito.

– Se for o caso de combinar o uso de um dos 2 produtos junto ao hidratante, consulte seu dermatologista. Reconhecer as fórmulas, para combinar os produtos ideais, é o principal para que não surjam outros problema na pele, como as acnes e oleosidade.

– Se a sua pele for muito oleosa, também indicamos a consulta ao dermatologista de sua confiança antes de utilizar. Existem produtos manipulados que podem atender melhor ao seu caso e só o especialista poderá recomendá-lo.

 

Além de tudo isso, como os BB Cream e CC Cream possuem diversas substâncias em sua composição. Então, é necessário um cuidado maior para não ter reação alérgica a alguma delas. Se você se interessou pelo produto, não se esqueça de falar sobre a possibilidade de usá-lo na sua próxima visita ao dermatologista!

 

Ficou com alguma duvida? Então, faça sua pergunta ao nosso dermatologista e ele responderá em breve!

content_front
Perguntas e respostas

Repelentes: como funcionam na pele e quais as formas mais eficazes de se usar

Muita gente usa, mas poucos entendem como funcionam realmente. Especialmente nessa época do ano, onde o verão vai chegando com os dias mais quentes, os feriados e as viagens de férias, é que o uso dele volta com tudo: os repelentes se tornam fundamentais na bagagem de qualquer pessoa.

Mas você sabe como eles funcionam? Qual é a forma correta para que realmente sejam eficazes, quais são as melhores fórmulas e até que ponto eles podem nos proteger? Vamos contar tudo aqui!

Entenda de que forma o repelente age protegendo sua pele

Basicamente, o repelente funciona criando uma camada de vapor sobre a pele, que é repulsivo aos mosquitos, evitando assim a picada.

É dessa maneira que eles conseguem repelir os insetos de uma forma nada agressiva. São agradáveis à nossa pele, ou seja, não são tóxicos aos seres humanos. De qualquer maneira, é importante ressaltar que é necessário muito cuidado para que o repelente não entre em contato com as mucosas e olhos.

Quais são os componentes mais eficazes?

A Organização Mundial da Saúde indica três ativos que podem estar presentes nas formulas dos repelentes. O IR3535, o Icaridina e o DEET.

Modos de usar e cuidados especiais

Sabendo que a ideia principal do repelente é criar uma área onde os insetos não possam se aproximar, é importante saber que o ideal é passa-lo no corpo todo. Existem alguns tipos de repelentes, mas o spray é o menos indicado, justamente porque é muito mais fácil da substância atingir as mucosas ou áreas com ferimentos, onde ele também deve ser evitado. Portanto, as melhores opções ainda são as fórmulas em creme e gel.

Nos casos onde você precisará utilizar roupa, muita gente costuma passar o repelente na pele e vestir a roupa. Mas, esse não é o ideal, pois isso fará com que não tenha o efeito esperado –  a nuvem de repelente que expulsa os insetos – não mantendo os insetos longe. Portanto, se for necessário o suo de roupa com o repelente, utilize-o por cima da roupa. Nesse caso, o spray é a melhor opção.

Lembre-se sempre disso: o mais importante no repelente é a área de isolamento que ele cria ao redor de quem o utiliza.

Também não é recomendado dormir com o repelente. Antes de dormir, ele deve ser lavado do corpo. Para continuar protegido durante as horas de sono, se estiver em local sem telas e redes de proteção, uma boa dica é passar o repelente nas bordas do lençol, criando uma área de repelente que protegerá as partes do corpo expostas durante o sono.

Na praia, o correto é passar, primeiramente, o protetor solar, que deverá ser absorvido na pele. Depois de aproximadamente  15 minutos, passe o repelente, que agirá mais externamente, conforme explicamos.

Como cada repelente e ativo age de uma maneira, o ideal é sempre respeitar as indicações dos fabricantes que estão presentes nos rótulos.

Outras dicas importantes

– Existem óleos naturais muito conhecidos pelo uso como repelente. O eucalipto-limão é bem utilizado, mas exige manipulação para que seja eficaz. A citronela é o único que pode ser utilizado em sua forma mais natural.

– Você também pode pensar no seu tipo de pele na hora de usar o repelente, como a versão gel para as peles mais oleosas e o creme para peles mais secas.

– Crianças com menos de 6 anos não devem utilizar repelentes, prefira roupas para proteção física ou telinhas.

– Não passe nas regiões mucosas nem em feridas, pois podem ser irritantes.

– Gestantes também devem utilizar repelente, pois todos são considerados seguros. Inclusive, existem repelentes feitos especialmente para gestantes, vale a pena consultar um dermatologista para saber o mais indicado.

– O tempo de exposição aos insetos também conta para dosar o tempo de reaplicação, porém, não passe mais que 3 vezes ao dia.

– Tomar Complexo B para repelir os insetos ainda não tem seus efeitos comprovados. Acredita-se que o odor exalado pelo corpo, após a ingestão do Complexo B, seja pouco ao ponto de criar um poder repelente.

– E, falando em odor, os insetos são atraídos também por cheiro, suor e cor da pele. Quanto mais clara, mais propenso à picadas.

Ficou com alguma outra dúvida sobre o uso dos repelentes? Tire sua dúvida com a nossa dermatologista!

unhas-dermatologista-duvidas
Perguntas e respostas

Dermatologista responde: minhas unhas estão fracas. O que fazer?

As unhas, assim como toda a pele do corpo, os cabelos e o nosso organismo de maneira geral, podem ter diversos problemas, muito mais do que imaginamos. Por isso, elas também precisam ser examinadas por um dermatologista. Um problema aparentemente simples pode indicar diversos outros e os tratamentos são inúmeros.

Com os sintomas e tratamentos, surgem diversas dúvidas. Recebemos algumas nos últimos dias e respondemos por aqui. Dê uma olhada e veja se algum caso é parecido com o seu. Se você também tiver dúvidas, pode enviá-las para a nossa dermatologista!
Vi na semana passada que tenho uma linha preta na unha do 1° dedo da mão esquerda.
Não sei há quanto tempo a tenho porque há anos que pinto as unhas todas as semanas e nunca reparei nisso. Há motivos para me preocupar?

Dermatologista: Assim como podemos ter pintas ou sinais na pele, nas unhas isso também pode ocorrer. Sendo assim, as manchas escuras das unhas também necessitam ser examinadas e acompanhadas.

Tenho 41 anos de idade e, de 1 ano para cá, as minhas unhas ficaram fracas, não crescem e com manchas. Quando crescem um pouco, quebram. O que seria isso? Minhas unhas eram perfeitas, apesar de que eu roía sempre as unhas, mas, de repente, isso aconteceu.

Dermatologista: A principal causa de fraqueza nas unhas é o contato com água, sabão, detergente e produtos de limpeza, por isso o ideal é usar luvas sempre que for fazer algum serviço doméstico. Além disso, deficiência de vitaminas e alterações na tireóide também causam fraqueza nas unhas.

Estou há alguns meses com uma das unhas quebradas na vertical, desde a base. Aparentemente já nasce rachada. O que posso fazer para solucionar esse problema?

Dermatologista: Manter as mãos e unhas sempre bem hidratadas ajuda bastante, além do uso de luvas quando for fazer algum trabalho doméstico como lavar louças, roupas, etc. Se mesmo assim não melhorar, procure um dermatologista.

Tenho onicomicose distal nas mãos, tem algum remédio eficaz para me indicar? Será que tem necessidade de remoção das unhas por cirurgia? São 5 unhas 100% comprometidas.

Dermatologista: Não é indicada remoção das unhas, pois se for micose mesmo as unhas novas também nascerão alteradas. Você deve se consultar com um dermatologista pra ser orientado corretamente sobre o tratamento.

Estou com uma série de problemas com minhas unhas da mão. Elas estão afinando e muito ressecadas, descamam e sai uma camada fina como se fosse esmalte, principalmente as pontas, sempre ficam dupla. Não sei a quem recorrer.

Dermatologista: As principais causas pra essas alterações nas unhas são o hipotireoidismo (diminuição da produção dos hormônios da tireóide) e o contato com água, detergentes, produtos de limpeza sem usar luvas. Pra maiores orientações, procure um dermatologista.

Gostaria de saber o que usar em unhas fracas, base sem ou com formaldeído manipulada?

Dermatologista: O formaldeído presente na fórmula não é o responsável pelo fortalecimento das unhas. Em geral pedimos pra não colocá-lo quando a pessoa é alérgica a esmalte, pois ele é um dos componentes que causa alergia.

Eu tenho uma enteada de 11 anos e, de um tempo para cá, as unhas dela estão ficando cada vez mais tortas e estou preocupada com que possa ser. Gostaria de saber o que pode ser isso e o que causa?

Dermatologista: Há inúmeras alterações que podem causar mudanças no formato das unhas, desde micoses, descolamentos, psoríase… Então o ideal seria que ela fosse examinada por um dermatologista!

Gostaria de saber quais os sintomas e o tratamento da psoríase nas unhas?

Dermatologista: A psoríase deixa um aspecto parecido com o da micose de unhas. Os tratamentos variam muito, desde cremes até medicamentos via oral.

Olá, gostaria de saber se é possível manipular uma base para fortalecimento das unhas composta por queratina, d-pantenol, cálcio e complexo de vitaminas? E se realmente teria resultado?

Dermatologista: Sim, é possível. Essas bases ajudam a fortalecer as unhas, e também existem compostos manipulados/prontos pra tomar. Converse sobre isso com seu dermatologista!

O que devo usar para curar fungo nas unhas dos dedões dos pés? Estou usando Ciclopirox olamina gotas 10mg/ml e também Micolamina Coclopirox 80mg/g, e continua doendo muito e a unha parece que está cada vez pior. Corto tudo que posso e lixo muito em cima, e nada de melhorar. Me indique algo para tirar a dor e combater este fungo.

Dermatologista: Primeiro é necessário saber se o que você tem é micose mesmo. Isso porque nesse caso não é comum haver dor. Existem exames que ajudam a diagnosticar a micose de unhas, converse sobre isso com seu dermatologista.

Meus cabelos estão caindo bastante e as minhas unhas não crescem. Já consultei a dermato e não chegou-se a um resultado.

Dermatologista: Unhas e cabelos fracos podem ser sinais de hipotireoidismo (uma alteração na tireóide que diminui a produção de hormônios). Se você já fez esses exames e está tudo normal, polivitamínicos podem ajudar.

alergias-a-bijuterias
Perguntas e respostas

Alergias à bijuterias: qual é o motivo e como resolver o problema?

As bijuterias, hoje em dia, são incríveis e é praticamente irresistível não utilizar algumas. Mas, se tem uma coisa que não muda com o passar do tempo são as irritações na pele com o uso desses acessórios e as alergias às bijuterias. Você já parou pra pensar por qual motivo isso acontece? Será que tem como evitar e tratar, até mesmo para continuar utilizando esses materiais?

Nossa dermatologista explicou um pouco do que acontece em nossa pele, os motivos e o que fazer. Se você é fã de acessórios, continue lendo!

Por que o uso de bijuterias incomoda a pele de algumas pessoas?

A vermelhidão na pele, que pode aparecer seguida de coceira ou ardência, acontece pela reação com algumas susbtâncias. É o caso das bijuterias, que geralmente contém metais menos nobres – como é o caso do níquel. Ao entrar em contato com a pele, acaba provocando essa reação, conhecida como dermatite de contato.

E o que é dermatite de contato?

A dermatite de contato é exatamente essa reação da pele ao contato com determinadas superfícies e substâncias. Não apenas o níquel, mas diversos outros materiais e substâncias são responsáveis por provocar essa irritação. Isso inclui alguns sabonetes e perfumes, por exemplo, entre outras coisas. Pode acontecer de forma irritativa, ou seja, ao simples contato com a substância em questão. Outra forma é a alérgica, com a exposição consecutiva ao agente causador da irritação, como é o caso das bijuterias.

Por que acontece com algumas pessoas?

Basicamente, algumas pessoas já possuem uma predisposição genética a desenvolverem essa alergia sempre que entrarem em contato com esses materiais.  Apesar disso, até mesmo quem não tem problemas genéticos pode desenvolver uma reação alérgica. Isso dependerá do local onde a bijuteria é usada e também o tempo – afinal, isso aumenta o tempo de contato entre a substância irritativa e a pele.

Aprenda a evitar e cuidar

A principal forma de evitar as reações causadas pela dermatite de contato é evitando, como o nome já sugere o contato com a substância. Porém, o que a maior parte das pessoas esquece é que o metal não está presente somente nas bijuterias que usamos, mas também no sutiã, botão da calça jeans, pulseira de relógios, fivelas de cinto, etc.

Então se você parou de usar brincos e pulseiras mas ainda tem sintomas, pode estar entrando em contato sem perceber, com algum desses citados. Assim que notar uma coceira e vermelhidão em alguma região, suspenda o uso do acessório e lave a pele.

A ideia é livrar a pele do contato com a substância alérgica imediatamente. Porém, isso não significa abrir mão de utilizar seus acessórios.

Existem algumas opções a serem seguidas. Uma delas é não utilizar por muito tempo a bijuteria. Se, mesmo por pouco tempo, a reação for imediata, procure utilizar semi-joias, ou bijuterias livres de níquel, como as feitas com aço inoxidável e até alumínio.

Os acessórios com ouro e prata também apresentam poucas reações alérgicas, de maneira geral, e são uma boa opção.

Outro passo a ser seguido, após o primeiro sinal de irritação, é utilizar um creme hidratante na região, ou pomadas com corticoides. Aplicar compressas com água gelada também ajuda a aliviar a irritação. A água termal, nesses momentos, costuma ser uma ótima aliada.

É claro que, dependendo da gravidade da irritação, o dermatologista deverá ser consultado para que ela não aumente, nem se agrave. Muitas vezes é possível confirmar o diagnóstico por meio de um exame chamado teste de contato, que ajuda a esclarecer também se há alergia a outros produtos como esmalte de unha por exemplo.

 

E você, consegue usar bijuterias tranquilamente ou já notou que a sua pele também não se dá muito bem quando entra em contato com elas? Gostaria de tirar alguma dúvida? Faça sua pergunta para a nossa dermatologista!

GettyImages-155418338-570354165f9b581408ac74a1
Perguntas e respostas

No mês da Psoríase, tudo o que você precisa saber sobre a doença

Para quem não sabe, no dia 29 de Outubro é comemorado o Dia Nacional de Conscientização da Psoríase, uma campanha promovida pela Sociedade Brasileira de Dermatologia, para orientar e lembrar a importância do tratamento da psoríase – sim, ele existe! Durante todo o mês de Outubro são realizadas ações especiais sobre o tema.

É claro que aqui esse dia não poderia passar em branco. Ele é comemorado apenas no dia 29, mas há ações durante todo o mês, então é valido falar desse assunto o quanto antes – e todos os dias também, é claro!

Se você tem psoríase ou conhece alguém com o problema, sabe que, por vezes, a pessoa se priva de muitas coisas por causa do incômodo causado pela doença. A ideia é melhorar muito a qualidade de vida das pessoas portadoras de psoríase, mostrando que o tratamento adequado pode sim levar ao controle da situação!

Importante lembrar

Existe um pilar importante para que a pessoa com psoríase possa conviver de forma tranquila com sua doença: o diagnóstico correto; o acesso à informação; e os cuidados corretos com a doença.

Então, o que exatamente é a psoríase?

Para começar, não é uma doença contagiosa. A psoríase é uma doença inflamatória, sem cura, mas com períodos de melhora e piora. São conhecidas por manchas avermelhadas e escamosas na pele, de causa desconhecida. O que se sabe, até o momento, é que ela está relacionada ao sistema imunológico, ao ambiente e também às causas genéticas.

A partir disso, são realizados os diagnósticos pelos dermatologistas, para entender em qual momento e qual é o gatilho para a psoríase em determinado individuo. Assim, é possível iniciar um tratamento adequado e até mesmo aprender a evitar as situações que ocasionam a piora da doença. Isso acontece porque há vários tipos de psoríase.

Como viver com qualidade, tendo psoríase?

Como dissemos, os portadores de psoríase acabam perdendo relativamente sua qualidade de vida, quando passam a deixar de fazer algo por vergonha das manchas pelo corpo.

É possível, através de algumas atitudes, melhorar o aspecto das manchas, ao ponto de minimizá-las e torná-las quase imperceptíveis. São eles:

– Manter hábitos saudáveis;

– Tente manter uma vida mais tranquila e evitar situações  estressantes, pois o stress pode agravar a doença;

– O sol, na medida certa, é um aliado. Converse sobre com o seu dermatologista;

Quais são os tipos de tratamento possíveis?

É necessário frisar, antes de qualquer coisa, que tratamento, nesse caso, não resulta em cura. Ainda é desconhecida a cura para a psoríase, mas, como dissemos anteriormente, é possível viver bem com o problema, mantendo os sintomas em perfeito controle.

Há muitos tipos de tratamentos e diversos graus de psoríase. Em casos onde a doença se apresenta de forma mais leve, algumas medidas como as já citadas anteriormente, podem ser o suficiente para manter a situação sob controle. Além de adotar hábitos mais saudáveis, é preciso hidratar bem a pele e aplicar o medicamento indicado pelo seu dermatologista. Em geral os corticóides tópicos (aplicados na pele)  são a base do tratamento da psoríase. O sol, desde que com moderação, também pode fazer bem para a pele nesses casos.

Já nos casos um pouco mais sérios, medicamentos via oral, ou até mesmo injetáveis, além da fototerapia, com aplicação da luz ultravioleta, podem ajudar.

O importante é que as pessoas saibam que, não importa a gravidade de sua psoríase, com paciência e os cuidados corretos, é possível amenizar o problema de uma forma satisfatória.

Dicas

Não deixe de tratar a psoríase, nem pare seu tratamento no meio. Alguns casos podem evoluir para situações ainda mais críticas. Além disso, tente adotar hábito que possam ajudar em um momento de crise, entre eles a prática de esportes (que também ajudam bastante no suporte psicológico); a hidratação correta da pele; a depilação, que deve ser evitada nos momentos de crise; os cosméticos devem ser escolhidos com muita cautela e observando seus componentes; prefira sempre roupas leves, que deixem a pele respirar, como as de tecidos de algodão.

 

Lembre-se de procurar SEMPRE a ajuda de um dermatologista. Como já dito anteriormente, os cuidados corretos podem reduzir a psoríases a níveis muito baixos. Se você tem, ou conhece alguém que precise ler essas informações, compartilhe! E, caso tenha alguma dúvida, faça sua pergunta à dermatologista!

gallery-1442267142-nail-tea-bag-trick-4-copy
Perguntas e respostas

Dermatologista responde às dúvidas sobre micose

Já teve micose? Elas são basicamente infecções que atingem a pele, as unhas e até os cabelos, e são causadas por fungos.

Os lugares mais comuns e com as condições ideais para o aparecimento da condição, ou seja, locais mais quentes e úmidos, são nos trópicos.

Existem muitas formas e níveis de micose, por isso, é uma situação que requer muita atenção e o diagnóstico correto, para que o tratamento seja o ideal também. Inclusive, muitas outras formas de infecção são confundidas com micose, portanto, a consulta com o especialista é muito importante.

Recebemos muitas dúvidas, todos os dias, sobre o tratamento para micose. Nossa dermatologista respondeu a algumas e esperamos que possam te ajudar. Se você também tiver dúvidas sobre o assunto, envie sua pergunta para a nossa dermatologista!

Há 3 anos sofro com uma micose abaixo dos seios. Já fiz vários tratamentos com pomadas, mas ela sempre volta novamente. Devido a isso, resolvi fazer uma tatuagem no local para cobrir a mancha marrom que fica, teria algum problema em fazer?

Dermatologista: Você foi avaliada por algum dermatologista, que te informou que a mancha é micose? Se não, sugiro se consultar antes de fazer a tatuagem.

Tenho micose há uns 18 anos e não consigo curar. Uma das unhas tem um oco em baixo e é  bem amarela, já caiu varias vezes e hoje é ocada e bem grossa esta unha.

Dermatologista: Primeiro é necessário confirmar se é micose mesmo, e se for, o tipo do fungo. Há um exame feito em laboratório chamado micológico direto, solicitado por dermatologistas, que ajuda bastante.

Tenho micose nas unhas do dedão há vários anos. Já fiz vários tratamentos e há 1 ano e 10 meses estou usando esmalte de micolamina 0,8% e não vejo resultado. Minhas unhas não crescem e elas parecem carnegão. Estou desesperada!

Dermatologista: Os esmaltes têm pouco resultado nas micoses de unha porque penetram muito pouco. Medicamentos tomados (antifúngicos) com acompanhamento médico trazem resultados muito bons.

Fiz um tratamento de micose das unhas dos pés, com uma podóloga, durante 1 ano. Ela colocava antifúngico e, para finalizar colocava o laser, mas não resolveu. O que eu faço?

Dermatologista: Se for micose mesmo, os medicamentos tópicos resolvem muito pouco, pois praticamente não penetram na unha. Então o ideal é se consultar com um dermatologista, pra ser examinada e orientada corretamente

 

windpocken-1
Perguntas e respostas

Dicas da nossa dermatologista para a pele das crianças!

Celebrar a semana das crianças exige muita brincadeira, diversão, alegria e saúde, é claro! E quando se fala de saúde em bebês, crianças e adolescentes, a dermatologia não fica de fora. A Dermatologia Infantil é a área da dermatologia que cuida da pele das crianças e adolescentes e é especialista em detectar e tratar problemas que também são bem específicas nessa faixa etária.

Portanto, hoje trouxemos algumas dicas sobre dúvidas mais simples que podem surgir no dia a dia, mas nada dispensa a visita ao dermatologista!

Se você tem crianças em casa e, por ventura, tem alguma dúvida sobre algo relacionado à pele, cabelos e unhas, sinta-se à vontade para enviar sua pergunta para a nossa dermatologista e em breve ela responderá aqui!

Quais são os problemas de pele mais comuns em bebês e crianças?

Dermatites

A dermatite é a primeira delas. Tanto a seborreica, quando a atópica e a chamada dermatite de fraldas, são bem recorrentes nos bebês.

A dermatite seborreica, além do couro cabeludo, pode atingir outros locais, como nas dobrinhas atrás da orelha e até mesmo na testa. Ela também tende a se espalhar um pouco mais, em algum dos casos, mas vai desaparecendo ao longo dos meses.

Já a dermatite das fraldas, nada mais é que a famosa assadura, que é ocasionada justamente pelo uso de fraldas. Nesse caso, o abafamento do local a higiene é o maior aliado, exigindo uma troca de fraldas ainda maior durante o dia, além do uso de pomadas para assaduras. Geralmente, esse tipo de dermatite só desaparece definitivamente quando a criança deixa de usar fraldas. Em casos aparentemente fora do comum, procure por um médico!

A dermatite seborreica também é comum nas crianças, pois a glândulas sebáceas aumentam suas atividades. Engana-se quem pensa que essas caspinhas aparecem apenas no couro cabeludo: elas também podem aparecer em outras partes do corpo. Com o tempo, ela acaba desaparecendo, mas é indispensável uma boa higiene para manter a situação em controle.

Por fim, a dermatite atópica é outra irritação bem comum, ocasionando coceiras e até pequenos machucados, especialmente na pele de bebês e também é desencadeado ela reação alérgica a produtos como talcos com perfume, hidratantes e até mesmo sabonetes sem pH neutro.

Brotoeja e Milium

Brotoejas são aquelas pequenas bolinhas vermelhas que surgem pelo corpo. Elas nada mais são do que o resultado da dificuldade que a pele tem em respirar e, com isso, liberar o suor. Ou seja, a melhor forma de proteger a pele do bebê dessa irritação é evitando o abafamento, tanto de roupas, quanto do ambiente, mantendo sua pele bem arejada.

Já o Millium é caracterizado por pequenas bolinhas de queratina, que aparecem na pele das crianças – em aproximadamente 50% delas. Porém, também somem com o passar do tempo, não sendo necessário o tratamento nessa fase.  

Cuidados gerais e especiais com as peles das crianças

De modo geral, há diversas alergias de pele que desencadeiam em crianças e os motivos são vários, porém, uma boa parte é causada por fatores externo e uso de produtos perfumados, como sabonetes, hidratantes e até mesmo talcos, ou então sabonetes sem o pH ideal.

Basicamente, é correto escolher o sabonete infantil com menos detergente e aplicar bem pouco. Não pode esquecer-se de enxaguar bem, quando a criança se lavar na banheira.

Tecidos de roupas e outros fatores também podem ser prejudiciais, portanto, aparecendo sintomas que demoram a sumir sozinhos, procure um dermatologista ou o pediatra, para a orientação correta.

Quanto à proteção solar, ela é essencial em qualquer idade. Porém, não utilize filtro solar em crianças menores de 6 meses. Nesses casos, a melhor barreira solar é a física, portanto, não saia ao sol com a criança e utilize sempre sombrinhas e roupinhas leves.

Acima dessa idade, vale procurar por protetores que indiquem, em suas embalagens, que são recomendados para crianças. Isso significa que eles são bem resistentes à água e possuem menos substâncias químicas.

Em quais casos devo começar a procurar um dermatologista?

A princípio, alguns problemas de pele são tão comuns em crianças, que o pediatra poderá resolvê-los. Quando passam desse estágio comum ou apresentam alguma especificação, aí é necessário o encaminhamento ao dermatologista.

Portanto, é bom manter certa frequência de visitas ao dermatologista, especialmente para acompanhar as tão temidas pintas que já temos desde que nascemos, e a evolução das mesmas. Lembre-se que algumas doenças de pele são desencadeadas já desde pequenininhos e podem ser hereditárias. O melhor dos tratamentos, sempre é a prevenção.

 

E você, tem crianças em casa e adoraria tirar uma dúvida sobre a pele delas? Fique à vontade para perguntar para a nossa dermatologista!

picnogenol-beneficios-para-pele
Perguntas e respostas

Conheça o Picnogenol e descubra porque tem ganhado cada vez mais fama!

Picnogenol, esse nome lhe é familiar? Você tem escutado falar muito dele por aí, mas não sabe exatamente como ele funciona e quais os benefícios? Então, continue lendo e confira as dicas de nossa dermatologista sobre o uso do picnogenol para o combate ao envelhecimento!

Exatamente, combate ao envelhecimento. Nos últimos posts falamos aqui sobre os antioxidantes mais conhecidos e indicados para os cuidados com a pele. Confira a matéria.

Como o Picnogenol age na pele e porque merece o destaque?

Ele é extraído do pinheiro marítimo e, de forma geral, contabiliza aproximadamente 40 substâncias. Todas fazem muito bem à pele, mas ele se destaca pelo poder antioxidante. Esse poder de combater os radicais livres se equivale, ou é maior, ao das Vitaminas E e C, as mais conhecidas entre os compostos.

O Picnogenol tem ganhado destaque nos últimos tempos, muito por causa do seu poder, não apenas antioxidante, mas também no combate ao melasma. Quando falamos aqui nessa matéria sobre uso de protetor solar em capsulas, evidenciamos  também que, para o melasma, era um aliado incrível!

Explicamos o motivo: se você tem melasma, a primeira grande forma de evitar a piora das manchas é utilizando o protetor solar e repassando de 4 em 4 horas. Nesse caso, o picnogenol se torna um grande aliado do protetor solar, já que reduz a ação dos radicais livres e, como consequência, do sol sobre a pele, evitando o avanço das manchas.

Para quem é indicado o Picnogenol?

Para todos que desejam ter uma pele mais saudável, procuram um complemento para combater a ação dos radicais livres e, consequentemente, o envelhecimento da pele. E, como falamos, também é muito indicado para quem está em tratamento contra o melasma. Além do poder de combater os efeitos do sol – que é um dos agravantes da doença – também auxilia na diminuição da produção de melanina, ajudando a clarear as manchas.

Como encontrar?

De forma geral, o picnogenol pode entrar para a sua rotina de cuidados com a pele e é encontrado em extrato ou capsulas.

Ainda que faça muito bem, é sempre indicado que converse com um dermatologista antes, até mesmo para ajustar a dosagem e frequência do picnogenol. Como ele auxilia no tratamento contra o melasma, também é interessante que se conserve sobre a possibilidade de utilizá-lo, afinal, mesmo que com o tratamento, muita gente acaba sentindo a piora das manchas.

 

Gostaria de nos perguntar algo? É só enviar a sua pergunta para o dermatologista!